Propaganda

Como a compulsão por doces está ligada à carência afetiva, segundo a medicina chinesa

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
4.9
(11)
berry blueberries blueberry cake

Às vezes tudo o que você quer é um abraço, mas não tem coragem de pedir. A carência afetiva, de acordo com a Medicina Tradicional Chinesa (MTC), está diretamente ligada a uma maior vontade de comer doce.

Nosso paladar costuma nos informar que buscamos determinados sabores com o objetivo de controlar algo que está em desequilíbrio no corpo. Quando mais preocupada e carente a pessoa está, mais doce ela vai querer. É como se a emoção gerasse um vazio, e esse vazio a gente tenta colocar a comida no lugar dele.

O paladar começa a se conectar com as nossas emoções quando a criança começa a mamar. O leite materno é quente, doce, conecta com carinho, afeto e aconchego. Então a gente começa a relacionar gosto e sabor com afeto. Tanto é que o sabor da comida nos conecta com órgãos diferentes e com vontades ou carências diferentes.

Para a MTC, tudo é uma questão de energia: o baço/pâncreas e o estômago são os órgãos responsáveis pelo paladar e pela mastigação, e o sabor doce tonifica suas funções. Conecta com a emoção de contato físico. Então, quando tratamos desequilíbrio ligado à fome, temos que tratar esse órgão específico: estômago e baço/pâncreas que têm ligação com o elemento Terra.

Dentro da medicina chinesa, o que é a Terra? Ela sustenta, é Yin, ela acolhe, ao mesmo tempo é fria, úmida e recebe. Em polaridades Yin e Yang, a Terra é mais Yin do que Yang. Vamos pegar como exemplo uma mulher: se ela é mais Yin, ela acolhe mais, recebe mais, é mais intuitiva. Uma pessoa que tem esse elemento bem trabalhado e equilibrado vai conseguir ter o equilíbrio tanto da mente, que é razão, como do coração. Consequentemente, ela vai ter mais equilíbrio na parte da digestão e da saciedade.
Se houver um desequilíbrio do baço e do estômago, ou a pessoa vai comer muito ou vai parar de comer. Então, Terra é como se fosse uma mãe que te abraça, numa visão arquetípica. Agora, em uma visão de elemento, eu preciso de um baço funcionando bem para que eu não tenha excesso de umidade no meu corpo.

Eu preciso de um estômago equilibrado para que eu não tenha excesso de vontade de comer para suprir uma outra deficiência. Quando eu como muito, eu preciso suprir alguma deficiência, que pode ser tanto emocional como o desequilíbrio de um órgão específico.

Fonte: Tathiane Mariano Pitaluga, naturóloga especialista em Medicina Tradicional Chinesa

O que você achou deste post?

Clique nas estrelas para avaliar!

Média da classificação 4.9 / 5. Número de votos: 11

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda

Como a compulsão por doces está ligada à carência afetiva, segundo a medicina chinesa

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda

plugins premium WordPress
× Informações ou dúvidas?