Propaganda

Soluço contínuo ou ocasional? Infográfico explica diferenças e o que fazer

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
5
(7)

Quando o soluço é perigoso? É normal soluçar muito? O que significa soluço contínuo? Inúmeras dúvidas vieram à cabeça das pessoas nos últimos dias, depois que o presidente Jair Bolsonaro revelou estar sofrendo com soluços persistentes. 

O soluço é um espasmo do diafragma e músculos do tórax.

Tão corriqueiro e comum no dia a dia, quando ele nos pega, sabemos que logo passa. Mas nem sempre é assim. Em casos como o do presidente, eles permanecem por mais de 48 horas, sendo um importante sinal de algo pode não estar bem no sistema digestivo. O refluxo, por exemplo, é uma das causas do soluço persistente. 

Além disso, soluçar persistentemente também pode revelar alguma alteração neurológica importante e o comprometimento do trato gastrointestinal ou respiratório. O importante nesses casos é fazer uma avaliação médica minuciosa para determinar causa e tratamentos adequados.

Neste infográfico que preparamos, veja o que ocorre com o corpo quando soluçamos:

Mais informações sobre o que pode causar o problema:

Entre as principais causas de soluço constante está o consumo excessivo de bebidas com gases, como refrigerantes, e bebidas alcoólicas; e também de alimentos que podem aumentar a produção de gases, dilatando o estômago, como repolho, brócolis, ervilha e arroz integral, por exemplo.

Doenças gastrointestinais, como esofagite, gastroenterite e refluxo, principalmente, que corresponde à volta do conteúdo do estômago para o estômago e em direção à boca, causando dor, inflamação e provocando soluços;

Alterações no sistema respiratório seja por doenças como pneumonia, por exemplo, ou aumento da frequência respiratória após um exercício físico extenuante, por exemplo, diminuindo a concentração de CO2 na corrente sanguínea;

Alterações eletrolíticas, ou seja, alteração na concentração de cálcio, potássio e sódio no organismo;

Doenças neurológicas que podem alterar o controle dos músculos respiratórios, como tumor cerebral e a esclerose múltipla, por exemplo.

Essa contração do diafragma dá origem a uma inspiração súbita e termina com o fechamento abrupto da glote, o que gera o som de “hic” característico.  Veja infográfico e mais informações abaixo:

Na maioria das vezes é inofensivo, possui uma frequência média de quatro por minuto e desaparece espontaneamente em alguns minutos.

Segundo o médico-cirurgião do Hospital Albert Einstein, Sidney Klajner, o mecanismo que causa soluço ainda é desconhecido e envolve as vias neurológicas que formam um arco reflexo.

Essas vias abrangem nervos como o frênico (diafragma), o vago (responsável pela inervação de grande parte das funções digestivas) e conexões no sistema nervoso central. 

Não se sabe se há algum papel fisiológico para o soluço. No útero, acredita-se que soluço no feto tem a ver com exercícios respiratórios, antes do nascimento.

O soluço pode ser dividido em três categorias baseadas em sua duração:

Os episódicos, que podem ser causados pela hiperdistensão gástrica (“comer demais”), pela ingestão de bebidas gasosas e aerofagia (mascar chicletes, tabagismo) e insuflação do estômago durante endoscopia.

Os persistentes e os intratáveis, que podem levar a efeitos adversos com desfechos graves como desnutrição, perda de peso, insônia, fadiga, estresse mental e prejuízo da qualidade de vida.

“Pouco se sabe sobre a incidência de soluções intratáveis ou persistentes. Apenas alguns estudos demonstraram que mais de 200 casos de soluço persistente ou intratável apresentavam-se na maioria em idosos do sexo masculino e com doenças associadas”, explica o médico. (Com informações do site do Hospital Albert Einstein)Vj

O que você achou deste post?

Clique nas estrelas para avaliar!

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 7

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda

Soluço contínuo ou ocasional? Infográfico explica diferenças e o que fazer

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda

plugins premium WordPress
× Informações ou dúvidas?